Volta para a capa
ENTREVISTA SIMULTÂNEA

Ricardo Piglia

 

Ricardo Emilio Piglia Renzi

Nasceu em 1941, na Argentina. Romancista, contista, professor e roteirista, considerado um dos pesos pesados da literatura latino-americana. Seu primeiro livro, A invasão, levou seis anos para ser concluído (1961-1967), com o qual conquistou o "Prêmio Casa das Américas" e projetou-o definitivamente na literatura nacional e internacional. Mais tarde lançou Respiração artificial (1980), considerado pela crítica como um dos dez mais importantes romances de todos os tempos já lançados no país. Um escritor preocupado com o romance como gênero literário e que se encontra no universo urbano de Jorge Luis Borges, Julio Cortázar e Robert Arlt. Foi professor da Universidade de Buenos Aires e desde 1997 até seu falecimento foi professor de literatura na Universidade de Princeton. Sua narrativa é classificada como metaficção, devido às inovações na forma do texto intrinsecamente ligadas à própria trama dos romances. Outros livros: Prisão perpétua (1988), Nome falso, A cidade ausente (1992), A pessoa equivocada, Laboratório do escritor (1994), Plata quemada (1997), que ganhou o Prêmio Planeta de 1997 e virou filme dirigido por Marcelo Piñero, Formas breves (1999) El último lector (2005), Teoria del Complot (2007). Escreveu também, em parceria com Hector Babenco, o roteiro do filme Foolish heart. Apartir de 2015 passou a publicar Los diarios de Emilio Renzi, tendo publicado vol.1 - Los años de formación (1957-1967), O vol. 2 - Los años felices, previsto para o ano passado e vol. 3 - Un dia en la vida, previsto para este ano não chegaram ainda a ser publicados. Faleceu em 06/01/2017.

Prossiga na entrevista:

Por que escreve?

Como escreve?

Onde escreve?

Influência literária

Cinema
Política

Psicanálise

História
Crítica Literária

Relações Literárias

Academia