Volta para a capa
ENTREVISTA SIMULTÂNEA
Pablo Neruda

Ricardo Eliezer Neftalí Reyes Basoalto

Nasceu em 12/07/1904, em Parral, Chile. Diplomata e poeta laureado com o Nobel de Literatura de 1971 e um dos mais imprortantes poetas da lingua castelhana do século XX. Ainda adolescente trocou seu nome de batismo, inspirado no escritor checo Jan Neruda. Seu primeiro poema – A canção de festa (1921) – obteve o prêmio da festa da primavera, foi publicado na revista “Juventude”. Em 1923 publicou Crepusculário, obtendo o reconhecimento de diversos autores. No ano seguinte publica a primeira coletânea: Vinte poemas de amor e uma canção desesperada. A carreira diplomática tem início em 1927, quando é nomeado cônsul em Rangum, Birmânia. Como cônsul na Espanha, conhece Garcia Lorca e Rafael Alberti e dirige a revista “Cavalo verde para a poesia”, na qual faz companhia aos poetas da geração de 27. Neste mesmo ano aparece a edição madrilenha de Residência na terra. A partir daí manifesta um propósito de renovação forma de intenção vanguardista em três livros publicados em 1936: O habitante e sua esperança, Anéis e Tentativa do homem infinito. Com a Guerra Civil espanhola, é destituido do cargo consular e escreve Espanha no coração Em 1945 é eleito senador e obtém o Prêmio Nacional de Literatura. Em 1950 publica Canto Geral, em que sua poesia adota intenção social, ética e política. Em 1952 publica Os Versos do Capitão e em 1954 As uvas e o vento e Odes Elementares. Em 1953 constrói sua casa em Santiago apelidada "La Chascona" para se encontrar clandestinamente com sua amante Matilde.. A casa foi uma de suas três casas no Chile, as outras estão em Isla Negra e Valparaíso. "La Chascona", hoje, é um museu com objetos do poeta  e pode ser visitada, em Santiago. Em 1958 apareceu  Estravagario com uma nova mudança em sua poesia. Durante as eleições presidenciais do Chile nos anos 70, Neruda abriu mão de sua candidatura para que Salvador Allende vencesse. Em 1994 um filme chamado Il Postino (também conhecido como O Carteiro e O Poeta) conta sua história numa ilha na Itália com sua terceira mulher Matilde. No filme Neruda torna-se amigo de um carteiro que lhe pede para ensinar a escrever versos. Sua obra é vasta, terminando com o livro Confesso que vivi, publicado postumamente em 1974. Principais livros:  El habitante y su esperanza.(1926), Todo el amor (1953), Cien sonetos de amor (1959), Cantos ceremoniales (1961), Memorial de Isla Negra. (1964), Arte de pájaros (1966), Las manos del día (1968), Fin del mundo (1969), La espada encendida. (1970).  Faleceu em 23/09/1973.

Prossiga na entrevista:

Como escreve?

Onde escreve?

O que é inspiração?
Política
Relações Literárias