Volta para a capa
ENTREVISTA SIMULTÂNEA

 

Adolfo Bioy Casares

 

Nasceu em 1914, na Argentina. Reconhecido como o maior escritor argentino junto com seu amigo Jorge Luis Borges, com quem escreveu alguns livros, como as crônicas de Bustos Domeck e Suárez Linch, um par de pseudônimos que lhes serviu para escrever vários livros a quatro mãos. Sua obra é considerada como uma das mais imaginativas do  realismo fantástico. Escritor precoce, teve seu primeiro livro - Prólogo - aos 15 anos; e aos 25 escreve o romance consagrador: A Invenção de Morel (1940), traduzido para mais de 20 idiomas. Um livro excepcional que inspirou o filme O Ano Passado em Marienbad, de Alain Resnais. Amante dos esportes: foi atleta, tenista, jogador de futebol e rúgbi; e das mulheres.  “Não fui campeão dos mulherengos. Mas tive as necessárias, o que significa muito”, declarou em 1997. Não é por outra razão que foi chamado de Adolfo  Playbioy  Casares. Dos livros que escreveu, o que mais lhe atrai é Guirlanda com Amores, um volume de narrativas incluindo alguns poemas.  “É o livro que melhor expessa minha maneira de ser”. Dentre as obras destacam-se: Plan de Evasión (1945), O Sonho dos Heróis (1954),  Histórias de Amor (1972). Em 1994, publica suas Memórias, um painel completo de sua vida, contendo informações preciosas sobre o ambiente literário argentino no período 1930-50. Aos 82 anos, lança De Jardines Ajenos (1997). Seu penúltimo livro é Conversações com Borges (1999). Faleceu em 1999.

Prossiga na entrevista:

Porque escreve?

Como escreve?

Onde escreve?

Influência literária

Cinema

Política

Jornalismo

Psicanálise

Religião

Crítica literária

Relações Literárias